Internacional

Ministério Público vai investigar veracidade dos recibos apresentados por Lula

Ministério Público vai investigar veracidade dos recibos apresentados por Lula

Glaucos da Costa Marques é sobrinho do empresário José Carlos Bumlai, amigo de Lula e preso na Lava-Jato.

Além do terreno, um apartamento localizado vizinho à casa do ex-presidente, usado por ele para alojar seus seguranças, também é alvo da ação.

No parecer, o MPF sustenta que o ex-presidente deve responder separadamente a cada acusação de corrupção que consta na sentença de Moro, fato que pode elevar a pena.

Em nota, a defesa do ex-presidente Lula declarou que o parecer repete as falhas jurídicas de Moro e da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba.

O Ministério Público Federal (MPF) pediu ontem (6) na Justiça Federal o aumento da pena do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no processo sobre o apartamento triplex no Guarujá (SP). "Juízo Federal, eis que lhe cabe o dever de guarda e preservação, até o trânsito em julgado da ação penal, na forma do artigo 11, parágrafo 3º, da Lei nº 11.409/2006, devendo informar a defesa, na oportunidade, ainda, em que local foram localizados os recibos em questão e por quem", diz o pedido.

Moro, por sua vez, solicitou ao hospital que envie um relatório de visitas referentes ao período em que Costamarques ficou internado. Assim, com a mesma tranquilidade de que a perícia nos recibos irá comprovar que eles são documentos idôneos, também esperamos que a perícia requerida pela defesa também seja realizada.

Project Loon cleared to help restore wireless in Puerto Rico
Hundreds of thousands of people have been displaced and the Peruvian government has declared more than 800 provinces to be in a state of emergency.

Os procuradores pediram a Moro que "seja determinada a realização de perícias grafoscópica e documentoscópica sobre os documentos originais, com vistas ao esclarecimento dos quesitos a serem oportunamente apresentados pelo Ministério Público Federal e pelos réus, após intimação para tanto".

Procuradores disseram, em documento ao juiz Sérgio Moro, que recibos foram "confeccionados para dar falso amparo à locação simulada do apartamento" que é objeto da ação.

"Diante do pedido expresso do juiz [Sérgio Moro] em relação a esses recibos, foram realizadas diligências por familiares e colaboradores do ex-presidente Lula nos pertences de dona Marisa, que sempre foi a locadora do imóvel". No final, as perguntas que devem ser feitas são: se há valores de contratos da Petrobras direcionado a Lula?

"O proprietário do imóvel jamais negou que tenha emitido os recibos, tampouco levou ao processo qualquer declaração de que tenha assinado os documentos em uma única data", argumenta o advogado. De acordo com decisão proferida em 27/09, o processamento do incidente deveria aguardar a realização de outra perícia, relativa às supostas cópias dos sistemas paralelos da Odebrecht.

"Espera-se que o juiz dê aos questionamentos da defesa o mesmo tratamento em relação aos questionamentos da acusação, não apenas em relação à idoneidade de documentos, mas sobretudo no que tange à necessidade de demonstração de recursos da Petrobras para a aquisição dos imóveis ("follow the money"), que é a base da denúncia".